Influência do activewear no guarda-roupa cotidiano dá o tom à estação mais fria do ano

 

#ModaInfo Inverno 2017 aconteceu no Teatro Cetip, em São Paulo

#ModaInfo Inverno 2017 aconteceu no Teatro Cetip, em São Paulo

Influenciado pelo boom do segmento activewear na moda e a constante oscilação do clima, looks athleisure, que equilibram a praticidade de tecidos tecnológicos com o aconchego de peças oversized, tomarão conta das ruas no Inverno 2017. É o que anuncia o tema New Order, apresentado ontem na 48ª edição do Senac Moda Informação, que aconteceu no Teatro Cetip, em São Paulo, para um público de mais de 400 pessoas.

Realizado há 24 anos, o seminário é reconhecido por adaptar as tendências do circuito fashion mundial para a realidade do nosso mercado, contribuindo para o desenvolvimento assertivo de coleções. Os resultados das pesquisas foram apresentados pelo time de consultores Beth Salles, Bia Aidar, Camila Toledo, Denise Morais, Luciana Parisi, Mauricio Lobo e Roberta Paes.

“Tecidos tecnológicos leves e fáceis de trabalhar, como o cirê, uma das vedetes da temporada, funcionam bem para manter a temperatura do corpo e são extremante compactos para transportar no dia a dia, como a agitação do cotidiano demanda. A dica para não se limitar ao look simples de academia é ser criativo na concepção das peças, incorporando texturas e acabamentos inusitados aos tecidos”, explica Renato Shibukawa, editor do #ModaInfo.

Liberdade de estilos

Uma boa dose de drama, sensualidade, rebeldia e componentes étnicos continua a inspirar as coleções nessa estação, como indicam os temas Boho Dream, Novos Românticos e Free Rebel, também confirmados no evento. “A mistura de influências é enriquecedora e possibilita que as pessoas e as marcas as utilizem para evidenciar a própria essência. A palavra-chave da estação é liberdade”, finaliza Renato.

Confira as inspirações para os temas da estação:

Boho Dream

Boho Dream: Queridinho das marcas há várias estações, o boho continua no inverno com um olhar contemporâneo, que pede a releitura das influências folk e étnicas dos anos 1970 com volumes mais contidos e maior controle e subjetividade na ornamentação.

Motivos florais e naturalistas fazem reverência ao art nouveau, equilibrados em estampas e padrões geométricos do art decó. Os tons terrosos predominam a cartela de cor deste tema, que pede casacos felpudos, como os de pele de carneiro.

FreeRebel - FinalFree Rebel: A estética agressiva do movimento punk dos anos 1980 é revisitada e aparece em tachas, zíperes, fivelas, rasgos nas roupas e olhos e bocas escurecidos por maquiagem pesada, equilibrados com formas amplas na linha H, característica do do japonismo, em preto e tons de cinzas.
O grunge vem forte nesse tema, com visual largadão, barras deslocadas e xadrezes.

 

 

NEWORDER-Final-Final2_rgbNew Order: Os elementos do mundo esportivo focado em tecnologia e performance anatômica dão o rumo para a moda em busca de praticidade e conforto. Linhas arquitetônicas simples inspiram modelagens que recriam padrões convencionais através de formas assimétricas redesenhando a silhueta do corpo.

 


Novos românticosNovos Românticos:
 Um toque de dramaticidade característica da estética vitoriana, presente nos babados, traz equilíbrio entre os tons cosméticos e o preto, a cor mais importante do tema, realçando também toques de sensualidade em decotes profundos e semitransparências.

 

 

 

Nova silhueta

Peças assimétricas, que flertam com desenhos geométricos e proporções mais amplas, se mantém em alta, como jaquetas bomber, perfecto e parkas.

Camisetas longline, que podem ser igualmente interpretadas como vestidos, estarão em voga e são exemplos de como as pessoas conseguirão experimentar mais possibilidades com as roupas. “O conforto e a experimentação da silhueta, que puxa bastante para a linha H no Free Rebel, são constantes”, afirma Renato.

Sustentabilidade

Chiara Gadaleta, idealizadora do Movimento Ecoera, que presta consultoria e mensura as iniciativas sustentáveis de pequenas, médias e grandes empresas no mercado brasileiro, abriu o Seminário trazendo ideias para o público incorporar a sustentabilidade na sua agenda. “A moda conectada com a sustentabilidade é socialmente justa, economicamente viável, ambientalmente correta e culturalmente aceita. A integração das marcas a esse conceito se trata de uma fotografia dos tempos atuais”, declara a especialista.

Roupas de edições passadas do #ModaInfo foram transformadas durante oficina de upcycling comandada por Gabriela Mazepa, do Re-roupa, que marcou presença no evento junto à Mari Pelli, do Movimento Roupa Livre, para tirar as dúvidas do público sobre o reaproveitamento dos materiais para as novas coleções. “A roupa mais sustentável é aquela que já existe”, afirma Mari.

 

Apresentação dos looks + editorial fashion

Apresentação dos looks + editorial fashion

Looks + editorial

Uma das novidades da edição é a apresentação dos looks combinada à do editorial fashion, produzido pelo #ModaInfo especialmente para o conteúdo exclusivo, projeto assinado por Nathalia Anjos, coordenadora do evento, e Guilherme Diniz, docente de moda do Senac Lapa Faustolo, que viajou para Londres especialmente para a seleção das peças. “O high street londrino sempre traz propostas de vanguarda que são facilmente assimiladas pelo mercado”, observa Guilherme.

 

 

Conteúdo exclusivo

Todas as informações apresentadas durante o Seminário, como cartela de cor e orientações sobre tecidos, modelagens, acessórios e styling, ficam à disposição do público no conteúdo exclusivo.

 

Fotos: Divulgação

Comentários

Comentários