Atendimento personalizado a mulheres com câncer é tema de TCC de alunas de styling do Senac

 

Magali Menezes, atendida pela Mama Estima em workshop de consultoria de imagem

Magali Menezes, atendida pela Mama Estima em workshop de consultoria de imagem

O câncer de mama é um dos mais comuns entre as mulheres ao redor do mundo, respondendo por cerca de 25% dos novos casos de câncer a cada ano só no Brasil, de acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer). Não raro, as transformações físicas e psicológicas que acometem as mulheres em tratamento oncológico impactam no modo como elas se sentem em relação a si mesmas.

Com o objetivo de fortalecer a autoestima das mulheres com câncer de mama, as stylists Ana Luiza Ancona e Priscila de Oliveira Martinez, recém-formadas pelo Senac Lapa Faustolo, desenvolveram o projeto Mama Estima, consultoria de imagem voltada ao atendimento desse grupo.

Ambas tiveram casos de câncer de mama em suas famílias e contam que decidiram ir a fundo no tema para trazer respostas às mulheres que sofrem com a “desconstrução da autoimagem” decorrente da doença, caracterizada tanto por processos passageiros, como a queda dos cabelos, quanto pelos permanentes, como a mastectomia.

Além de dicas de maquiagem corretiva e de estilo, a dupla também ministrou workshops de customização de roupas e consultoria individual às mulheres atendidas pela ONG Movimento Campinas Rosa, localizada em Campinas, ação que contou com a parceria de profissionais de beleza. Confira a entrevista realizada pelo #ModaInfo com a dupla na íntegra:

 

Como surgiu a ideia de realizar consultoria de imagem para mulheres com câncer de mama?

Ana Luiza – A ideia surgiu há mais de um ano e a colocamos em prática durante nosso TCC. Em decorrência de um problema de saúde na minha família, passei um tempo no hospital e vi muitas pessoas precisando de ajuda. Como minha avó materna também passou por um câncer de mama e ficou em “luto” com a sua autoimagem, fiquei sensibilizada.

Priscila – Percebi como a minha mãe e tantas mulheres sofriam com o processo dessa doença, que causa a desconstrução da imagem pessoal. Nas duas últimas vezes que enfrentou o câncer, minha mãe me perguntava como poderia se vestir de maneira que não seus sintomas não ficassem aparentes, já que eu estudava moda.
Na pós-graduação, tivemos um contato maior com a consultoria de imagem e percebi como ela poderia ser eficaz neste processo, por ser algo personalizado e que envolve muito cuidado e atenção.

 

Como foi organizado o atendimento às mulheres identificadas no projeto?

Ana Luiza – Fizemos uma ação social dentro da ONG Movimento Campinas Rosa. Explicamos às mulheres de lá alguns pontos sobre a consultoria de imagem, como os diferentes formatos do corpo, tipos de estilo, dicas para combinar cores e estampas, e claro, ajudar nas questões decorrentes da doença, como disfarçar a mastectomia, diferentes amarrações de lenços, disfarçar o uso de cateter e do dreno.

Priscila – Após a palestra, apresentamos as nossas colaboradoras voluntárias que nos ajudaram a aplicar os workshops de maquiagem corretiva, customização de camisetas e de coloração pessoal. Para finalizar, fizemos algo novo e com muito significado que foi a pintura corporal Mehndi, feita com henna natural indiana, que simboliza as passagens na vida das mulheres.

 

Quais as principais queixas das mulheres atendidas por vocês em relação à imagem?

Ana Luiza – Muitas se incomodam com o port-a-cath, cateter usado para receber medicamento durante a quimioterapia, que fica aparente na pele e as impede de utilizarem alguns tipos de roupa, além da diferença das mamas, que pode acontecer mesmo após a cirurgia de reconstituição, e a queda dos cabelos.

 

Como foi o retorno delas a respeito do trabalho de vocês?

Ana Luiza – Foi muito positivo. Todas vieram tirar dúvidas com a gente depois da palestra a respeito de questões decorrentes da doença e também sobre estilo, tipo de corpo.

Priscila – Pelos depoimentos lindos que recebemos o retorno foi muito positivo. Elas adoraram a tarde, as dicas, disseram que conseguiram se conhecer um pouco mais. E o que é mais importante, elas conseguiram tirar o foco da doença para pensarem um pouco mais nelas mesmas.

 

Quais foram os aprendizados que esse trabalho proporcionou a vocês?

Ana Luiza – Além de poder colocar em prática tudo o que aprendemos, conseguimos detectar melhor as dificuldades delas durante o tratamento oncológico. O mais importante foi que, apesar de tudo o que elas estavam passando, todas estavam sorrindo o tempo todo.

Priscila – O melhor aprendizado que esse trabalho nos proporcionou foi vermos como a compreensão, a atenção e o carinho em um trabalho de consultoria de imagem é importante, principalmente para esses casos tão delicados. Perceber que amenizamos um pouco os problemas que essas mulheres carregam é recompensador.

 

 

Acompanhe o trabalho da Mama Estima acessando sua página no Facebook: https://www.facebook.com/mamaestima/

Fotos: Divulgação

Comentários

Comentários