Espaço é o primeiro mercado 100% orgânico da cidade

 

Pop up do brechó Bacia Chic, na Casa Orgânica

Pop-up do brechó Bacia Chic, na Casa Orgânica

As cadeias de moda e alimentação são as duas indústrias de transformação que geram mais emprego no país, de acordo com dados da Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil). Contudo, seus métodos de produção ainda envolvem o uso de agrotóxicos, o que vem sendo questionado por um número crescente de pessoas, que também querem saber a origem dos produtos que consomem.

Esse foi o caso do casal de empreendedores Naila e Alessandro Duarte, que abriram nesse mês a Casa Orgânica, na Vila Madalena. O espaço de 500m² reúne alimentos, bebidas, roupas, produtos de beleza e higiene orgânicos com certificação de origem no bairro boêmio de São Paulo.

Certificação de origem da matéria-prima orgânica nas roupas

Certificação de origem da matéria-prima orgânica nas roupas

Alessandro é arquiteto e conta que seu interesse pela área foi despertado pelo filho, Heitor, há quatro anos. “Ele ouviu a mãe lamentar o uso de alimentos com agrotóxicos na cozinha e se recusou a tomar uma sopa. Isso chamou nossa atenção para esse mercado, que vem crescendo graças à conscientização das pessoas”, lembra.

De lá pra cá, muitas pesquisas e network foram feitos pelo casal até a Casa Orgânica sair do papel. “Ficamos em contato com o Sebrae por dois anos para desenvolver nosso modelo de negócio”, explica Alessandro, que continua sobre os desafios do projeto, “fomos mapeando os fornecedores aos poucos, pois as condições de produção dos orgânicos consomem mais tempo e dinheiro deles, há menos players nesse mercado”.

Projeto Flores para Refugiados

Projeto Flores para Refugiados

O empreendedor conta que investiu cerca de R$200mil no projeto, que até o final do ano deve agregar mais quiosques com ofertas de orgânicos, como cervejas, vinhos e cosméticos. Além disso, a Casa receberá uma padaria e um restaurante, “o restaurante é estratégico para absorver os artigos de hortifruti à venda”, conclui Alessandro.

O espaço é também o primeiro ponto fixo do projeto Flores para os Refugiados, uma iniciativa que custeia o apoio voluntário independente da brasileira Gabriela Shapazian às pessoas em situação de refúgio na Europa. Saiba mais sobre a causa: https://www.facebook.com/floresparaosrefugiados/

 

 

 

Fotos: Marcella Ferrari Boscolo

Comentários

Comentários