Brasil é o quarto mercado mundial no consumo de produtos de beleza

 

O nosso dia a dia está cercado de produtos de beleza, que vão desde os itens de necessidade básica, como sabonetes e protetor solar, ao grande leque de maquiagens e perfumes disponíveis no mercado – que nos fazem sentir mais belos e confiantes.

Para o brasileiro, em particular, a atenção especial aos rituais de beleza é comprovada com números, já que somos o quarto maior mercado consumidor de maquiagem, atrás dos Estados Unidos, China e Japão, com movimento de R$42,6 bilhões em 2015, e investimento de 30% do faturamento bianual em lançamentos, de acordo com a ABIHPEC (Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos).

Laboratório de Produção Farmacêutica e Cosméticos

Laboratório de Produção Farmacêutica e Cosméticos do Senac Tiradentes

Carla Nasser, farmacêutica e professora da pós-graduação em Desenvolvimento e Produção de Cosméticos do Senac Tiradentes, explica que a legislação brasileira é uma das mais rigorosas do mundo em relação ao controle de componentes nos produtos, motivo pelo qual não é raro as marcas internacionais restringirem alguns lançamentos no Brasil.  “Há por exemplo, a RDC 44 que restringe o uso de metais pesados em esmaltes, como o chumbo, um dos motivos pelos quais a indústria nacional é forte em desenvolvimento de novos cosméticos”, afirma.

Para além da legislação específica, o mercado brasileiro é também singular no perfil de consumo. “Por aqui, os batons com acabamento matte vieram para ficar, por exemplo, já que o nosso clima tropical requer um cosmético que segure a umidade. Já no hemisfério norte é justamente o contrário”, destaca.

 

Confira as tendências de consumo de cosméticos apontadas pela profissional ao #ModaInfo:

 

Aquele batom

Batons, gloss e brilho labial continuam sendo as maquiagens mais consumidas pelas brasileiras, seguidas por esmaltes e rímel. “Mesmo com a crise, as pessoas continuam consumindo cosméticos, a diferença é que se antes elas compravam produtos mais caros, agora buscarão substituições mais em conta que apresentem os mesmos benefícios. Mais do que nunca é preciso investir num diferencial de marca para não sofrer na disputa pelo preço”, avalia.

 

Beleza de dentro pra fora

De acordo com Carla, as brasileiras estão de olho em produtos que, além de embelezar, possuam ativos como vitaminas ou colágeno para estimular a nutrição da pele, sejam hipoalergênicos e protejam do sol. “Essas propriedades diferenciam seu produto dos cosméticos convencionais e o torna mais valioso”, revela a professora.

 

Cosméticos ecológicos

As tendências do veganismo, do consumo consciente e a preocupação cada vez maior das pessoas com a preservação dos recursos naturais abrem espaço para esse nicho no setor de cosméticos que ainda tem muito potencial para ser explorado, de acordo com a especialista. Para conhecer as regras e características da certificação necessária para esse modelo de negócio, confira o guia do Sebrae.

 

Vidros cada vez menores

“Em termos de cosméticos, a tendência é termos cada vez mais frascos com volumetria reduzida. Dessa forma, as clientes conseguem adquirir mais opções de um mesmo produto, como esmaltes, por exemplo, cuja alternância de cores é uma característica de consumo”, afirma Carla.

 

Fotos: Thinkstock e Senac Tiradentes

 

 

Comentários

Comentários