Miscigenação cultural é mote da primeira coleção desfilada no evento

 

“O Brasil é o país com o maior contingente de negros fora da África e de asiáticos fora do Japão, estamos ressignificando nossa história”, conta o rapper Emicida, que junto ao irmão Evandro Fióte, estreou ontem no São Paulo Fashion Week com a marca Lab, cuja coleção Yasuke conta a história (verídica) de um escravo africano levado por um padre jesuíta ao Japão para se tornar samurai.

Apostando na miscigenção que sustenta as bases da cultura brasileira, o estilista João Pimenta, que fez a direção criativa, propôs looks streetwear com estampas que fazem referência às capulanas africanas, muito usadas pelo artista, e modelagem de inspiração oriental. As formas amplas tornam a coleção unissex e chamam a atenção para as diferentes belezas do casting.

Luciane Barros, diretora do Africa Plus Size Fashion Week Brasil e coordenadora do casting do desfile, conta a satisfação de ver o primeiro fashion show com maioria negra e plus no SPFW, “precisamos de representatividade para enxergarmos outros tipos de beleza”. Luciane estará presente no I Forum + Fashion, dedicado à discussão sobre o plus size, no Senac lapa Faustolo em 22 e 23/11.

A estreia da sua marca na passarela, com maioria de modelos negros, plus size e roupas unissex, constitui um marco para o evento, por ser a primeira a representar a diversidade tão característica do povo brasileiro e a única do line-up de propriedade de um empresário negro.

O desfile foi também serviu de palco para o Emicida, que cantou ao vivo músicas compostas exclusivamente para o show, a exemplo das iniciativas de sucesso de união de moda e música facilitadas pelos músicos Kanye West, diretor criativo da Yeezy, Rihanna e Pharrel Williams, que lançaram coleções para a Adidas Originals.

Confira os melhores looks do desfile:

Fotos: Agência Fotosite

Comentários

Comentários