Cerca de 500 itens do acervo pessoal do cineasta norte-americano são exibidos pela primeira vez na América Latina

 

Ala de projetos não realizados/ Fotos: Letícia Godoy

Ala de projetos não realizados/ Fotos: Letícia Godoy

A instalação inédita "O Menino Balão" é cercada de polaróides feitas por Tim Burton / Foto: Letícia Godoy

A instalação inédita “O Menino Balão” é cercada de polaróides feitas por Tim Burton / Foto: Letícia Godoy

 

 

 

 

 

 

 

 

A exposição “O Mundo de Tim Burton” estreia hoje no MIS-SP (Museu da Imagem e do Som de São Paulo) e convida o público a conhecer a mente criativa do premiado cineasta norte-americano, com cerca de 500 obras e esboços que apresentam também seus talentos como ilustrador, fotógrafo e escritor.

Os fãs de Tim Burton, 57, conhecerão em primeira-mão instalações como “O Menino Balão”, boneco gigante com olhos que perseguem os visitantes por meio de projeção de video mapping. “Resultado de sete meses de parceria entre as equipes do Tim e do MIS, a mostra apresenta cenografia inédita para garantir uma imersão do público no processo criativo do artista”, revela André Sturm, diretor do museu.

Já na entrada, o disco hipnótico na boca do personagem convida os visitantes a uma viagem transcendental para a mente do cineasta, em que a primeira parada remete aos pôsteres de filmes de horror estrelados por Vincent Price, além das figuras de Edgar Allan Poe, Alfred Hitchcock e uma reprodução de “A Noite Estrelada” de Van Gogh, listados por ele como referenciais criativos.

Satisfação garantida para os fãs da estética burtonesca, o “Lado B” de Tim recebe atenção especial no espaço dedicado a projetos nunca executados, como o storyboard de “Trick or Threat” e “O Gigante Zlig” livro submetido por ele à Disney aos 18 anos, além de recados trocados com os atores Johnny Depp e Vincent Price.

 Exposição reúne esboços do artista/ Foto: Marcella Ferrari Boscolo

Exposição reúne esboços do artista/ Foto: Marcella Ferrari Boscolo

As seções Humor/Terror, Felicidade/Angústia e Criatividade/Ceticismo reúnem paradoxos constantes na obra surrealista de Tim, apresentada principalmente em guardanapos e blocos de papel, cujo traço rápido e preciso revela alguém faz anotações em forma de imagens, apropriando-se delas como sua primeira língua. “A exposição reflete o processo criativo de Burton ao convidar os visitantes a sentir suas obras em nível emocional, ao invés de dissecá-las racionalmente”, explica a curadora Jenny He.

A necessidade de “trocar as lentes” para apreciar as obras do artista se materializa nas mostras dos curtas filmados por ele em Super-8 e 16 mm, exibidos em telas brancas cujo aparente vazio só revela suas formas em um segundo olhar, por meio de películas polarizadoras de imagens, outra exclusividade da edição coproduzida pelo MIS.

Uma única ala é dedicada a sua vasta filmografia, com sketches e bonecos de personagens coadjuvantes de blockbusters como Beetlejuice(1988), Edward Mãos de Tesoura (1990), O Estranho Mundo de Jack (1993), Noiva Cadáver (2005) e Alice no País das Maravilhas (2010).

Infelizmente, não há figurinos dos filmes na exposição, mas nós selecionamos alguns desfiles inspirados na obra de Tim Burton na galeria abaixo para vocês:

 

 

 

 

 

 

Comentários

Comentários