Movimento acontece entre 24 e 30 de abril em mais de 90 países ao redor do globo

 

Entre 24 e 30 de abril, acontece a Fashion Revolution Week em mais de 90 países e 30 cidades do Brasil para discutir como os impactos socioambientais gerados pela indústria da moda podem ser convertidos em desenvolvimento sustentável para o segmento.

Em São Paulo, o ponto de partida da FRW é a exposição “Fashion Power”, na UNIBES Cultural, apoiada pelo Senac Lapa Faustolo, que exibirá looks desenvolvidos sob os princípios da sustentabilidade durante a semana, e o talk com o tema da campanha de 2017, “Money, Fashion, Power”, que questiona as estruturas do poder dentro da segunda maior indústria no globo.

Oficinas, feira de troca e rodas de conversa também fazem parte da programação. Fernanda Simon, coordenadora nacional do movimento, chama a atenção para o poder de transformação da moda. “Mais de 70% da mão-de-obra nesse trade é feminina, também cabe a ele empoderar essa trabalhadoras com propostas justas de emprego e modelos de negócios sustentáveis”, reflete.

A especialista, que atua como consultora em moda e sustentabilidade há sete anos, também aponta a capacidade da moda de educar a sociedade preservando a identidade de cada cultura, motivo pelo qual o Fashion Revolution passa a contar agora com representantes estudantis nas escolas de moda brasileiras.

Carol Cardoso

A estudante de moda Carolina Cardoso/ Facebook

A representante do Senac São Paulo é Carolina Cardoso, aluna do curso técnico em produção de moda, que participa do evento desde o ano passado e, em março, coordenou o bazar de trocas da unidade unindo os preceitos de sustentabilidade do FRW com os da ecoeficiência do Senac São Paulo.

“Nas unidades do Senac, trabalhamos como agentes de desenvolvimento de práticas e posturas ambientalmente responsáveis. Por isso, desenvolvemos ações junto aos funcionários, alunos e comunidade do entorno”, explica Ana Santana, da Ecoefiência.

Questionando sempre “quem fez minhas roupas?”, o manifesto pela transparência na cadeia de moda teve início em 2013, em Londres, após profissionais do meio se sensibilizarem com o desabamento do edifício Rena Plaza, em Bangladesh, que causou a morte de 1.134 trabalhadores da indústria têxtil mantidos em condições análogas à escravidão.

 

Confira a agenda do #ModaInfo para ver a programação da FRW: http://www.senacmoda.info/index.php/agenda/

Fotos: reprodução

 

Comentários

Comentários