Getty Images lança sua previsão anual de tendências visuais que influenciarão a publicidade, o design e as comunicações visuais no mundo todo no próximo ano

 

Existência Divina - Stuart Hall

Existência Divina – Fotógrafo: Stuart Hall/ Getty Images

 

Existência Divina:Conforme as marcas começam a focar em valores e mudamos o nosso foco para um consumo mais significativo, uma onda de conceitos como bondade, determinação e interconectividade surgem no panorama visual. Num mundo repleto de imagens, marcas e storytellers estão colocando propósito no centro de suas narrativas e recorrem, agora, ao nosso senso de valor, para dentro e para fora.

 

Extensão Humana - Fotógrafo: David Vintiner

Extensão Humana – Fotógrafo: David Vintiner/ Getty Images

Extensão Humana: A tecnologia está mudando o jeito que vivemos nossa vida, compartilhamos nossas experiências e assimilamos o entorno. Esta tendência explora como a tecnologia se torna uma extensão de nós mesmos, desafiando os nossos conceitos do que significa ser humano ao otimizar nossos corpos, expandir nossa capacidade de memória e criatividade e oferecer conectividade total.

 

Insurgente - Fotógrafa: Felicity McCabe

Insurgente – Fotógrafa: Felicity McCabe/ Getty Images

Insurgente: Pessoas que desafiam os limites e imagens que rompem com a tradição são aceitos cada vez mais, já que o gosto popular tem se tornado mais audacioso. Ao sermos cada vez mais inundados por imagens replicadas em massa e os textos que as acompanham, o nosso apetite por um ponto de vista único e elementos visuais que se destacam aumenta. Esta tendência analisa o modo de pensar não convencional e a ruptura que vem dos outsiders na forma de rebeldes, excêntricos, não-conformistas e anti-heróis.

Caos Estético - Fotógrafo: Andy Lo P

Caos Estético – Fotógrafo: Andy Lo P+/ Getty Images

Caos Estético: Um passo além da previsibilidade e uma reação à perfeição que muitas vezes vemos nas imagens publicitárias, a abordagem do Caos Estético à produção de imagens destaca-se em meio a um movimentado mercado de mesmices. As imagens são bagunçadas, sujas, suadas, viscerais, maravilhosas e horríveis. Elas surgem do nosso desejo de fugir da higienização e da previsibilidade da vida cotidiana e de deleitar-se no aspecto físico da natureza humana.

Silêncio vs. Barulho - Fotógrafo: Klaus Vedfelt

Silêncio vs. Barulho – Fotógrafo: Klaus Vedfelt/ Getty Images

Silêncio vs. Barulho: 2016 promete ser cheio de extremos visuais, grandes contrastes e contradições estilísticas, e o Silêncio vs. Barulho pode ser visto como um contraponto ao Caos Estético.  As imagens são simples e minimalistas e abrem espaço para que os clientes criem mensagens similares: sucintas e descomplicadas, mas lindamente executadas de forma a se sobressaírem quando contrastadas às imagens mais frenéticas. Visualmente, dizem “menos é mais”, tanto na composição quanto na cor. São muitas vezes quietas e contidas, e são muito eficazes num mundo visualmente estimulado ao excesso, onde uma abordagem calma cria um contraste bem-vindo.

 

Surrealismo - Fotógrafo: Yagi Studio

Surrealismo – Fotógrafo: Yagi Studio/ Getty Images

Surrealismo: Os fotógrafos estão usando um novo tipo de manipulação de fotografia para criarem imagens lúdicas e muitas vezes surreais. Aparentando, às vezes, uma versão do século XXI da psicodelia dos anos 60, as imagens também são influenciadas por sonhos, pelo subconsciente e pelo movimento surrealista original. Em resposta a uma década dominada pela autenticidade e pelo realismo, temos agora um apetite enorme pelo surreal e pelo inesperado.

Comentários

Comentários