Projeto prevê fomento a iniciativas do setor privado que causem mudanças estruturais nas relações de trabalho na moda

Quem fez as roupas que você está vestindo agora? Esse questionamento, feito pelo Fashion Revolution desde 2013, tem ecoado com cada vez mais força no meio fashion, conscientizando o público, ainda que aos poucos, sobre a escolha da roupa como um ato político.

De olho na demanda crescente de transparência nos processos produtivos da cadeia da moda, um número crescente de marcas e grupos industriais começou a divulgar publicamente informações como nomes e locais das oficinas de costura com as quais trabalham, condições de trabalho e informações de segurança, incluindo a responsabilidade social nos índices de geração de valor.

Um exemplo recente de apoio a essa tendência é a iniciativa do Instituto C&A de abrir um edital para selecionar até três propostas comprometidas com a difusão de informações das condições de trabalho no trade nacional, investindo R$1,3 mi num setor que, de acordo com a ABVTEX (Associação Brasileira do Varejo Têxtil), chega à marca de 75% de suas operações em algum nível de inconformidade com a lei.

“Consideramos que o acesso a dados sobre condições de trabalho cria um benchmarking público. A prática de prestação de contas faz com que as condições de trabalho se tornem uma prioridade dentro da cadeia de valor da indústria. Quando uma massa crítica adota medidas de transparência, gera-se uma expectativa de prestação de contas de todos que atuam no setor, o que permite uma análise comparativa e estabelece novos padrões de comportamento”, explica ao #ModaInfo Mariana Beirão Xavier, coordenadora de Inovação e Transformação da Cadeia de Fornecimento no Instituto C&A, responsável pelo edital.

ONGs, instituições de pesquisa e academia, associações da indústria, institutos, fundações e mídia podem se candidatar, contanto que as iniciativas apresentadas envolvam os seguintes eixos:

• Desenvolver ou implementar projetos que difundam informações ou dados públicos, precisos e de fontes com credibilidade sobre questões que afetam de forma direta ou indireta as condições de trabalho

• Disseminar informações ou dados de forma estratégica auxiliando atores-chave a tomar decisões e concretizar ações que promovam mudanças positivas em praticas, politicas e comportamentos que afetam condições de trabalho

• Provocar mudanças que têm o potencial de ser sistêmicas, impactando a indústria ao invés de impactar somente uma fábrica ou marca (ao menos que se demonstre que uma mudança em uma única fábrica ou marca seria tão impactante que toda a indústria seguiria a mesma linha, assim levando a uma mudança estrutural)

As propostas podem ser elaboradas em português ou inglês e enviadas para o e-mail instituto@institutocea.org.br até o dia 11 de março de 2018. O regulamento completo está disponível no site oficial do Instituto C&A. Inscreva-se!

 

+ Confira o índice de transparência da moda de 2017 divulgado pelo Fashion Revolution 

Foto: Thinkstock