Biotipo diverso da mulher brasileira foi o motivo da pesquisadora escolher o tema

Karoline (no centro) com as modelos vestindo os modelos de sutiã desenvolvidos por ela durante o Talentos Senac 2018

Do primeiro modelo de sutiã apresentado pela maison Cadolle na Feira Mundial de Paris há 130 anos até os strappy bras (sutiãs de tiras) de hoje em dia, várias foram as modificações executadas pelos designers de moda para trazer conforto e refinamento para a peça originada do espartilho.

Contudo, ainda que se tenha diversas opções de marcas dedicadas à lingerie atualmente, com gradação e modelagens distintos, a tarefa de encontrar o sutiã perfeito não é nada fácil, o que faz muitas mulheres sacrificarem o conforto ou a beleza no momento da escolha do produto, como avalia Karoline Terra Silva, modelista recém-formada pelo Centro Universitário Senac.

“Para fabricar um sutiã que satisfaça mulheres de idades e biótipos distintos, é necessário ter sensibilidade na escolha do material correto e muito estudo ergonômico para desenvolver uma modelagem que atenda as especificidades dos corpos”, avalia a ex-aluna, cuja inquietação lhe fez mergulhar no tema como projeto de conclusão da graduação em moda.

Ao longo do estudo, Karoline contou com modelos voluntárias para desenvolver os primeiros moldes em crepagem, uma técnica de modelagem tridimensional realizada a partir da adesivação do corpo com fita crepe para garantir o caimento ideal na etapa de planificação, que levou em conta características das mulheres como tamanho das costas e dos seios, assim como o formato deles.

Durante sua pesquisa, a estudante se deparou com entraves do mercado para produção de componentes fora do padrão convencional, como bojos e aros, cuja produção de tamanhos fora da grade só é possível a partir de pedidos grandes, ao contrário da gama de tecidos disponível no varejo. A minha intenção foi valorizar os seios das modelos como eles são, respeitando o tamanho dos seios de cada mulher”, revela Karoline.

Ao final, foram desenvolvidas 18 tamanhos de sutiã para apresentação à banca julgadora da pesquisa, do 38A ao 58C, contemplando tanto a mulher magra quanto a plus size com o mesmo modelo de sutiã, respeitando as diferenças de gradações.

Esse trabalho foi vencedor da categoria modelagem do concurso Talentos Senac, que premia anualmente os melhores trabalhos de design de moda com uma bolsa internacional de férias em instituições estrangeiras de ensino. “A premiação é mais um estímulo para os nossos alunos romperem fronteiras com suas pesquisas e ficarem atentos ao que os outros mercados estão produzindo”, explica Tatiana Putti, coordenadora do ensino superior de moda do Senac São Paulo.

Confira o resultado da pesquisa da Karoline na seção de fotos abaixo:

Comentários

Comentários