Estilista abre novo pátio fabril para convidados. Projeto é inteiramente assinado por ele

 

 

Ricardo Almeida em seu escritório

Ricardo Almeida em seu escritório

Semana passada, o estilista Ricardo Almeida abriu as portas da sua nova fábrica, com estrutura de 7.800 m², para cerca de 250 convidados. Além do debut, o evento contou com o primeiro desfile da marca no espaço multifuncional, projetado por ele para ser tanto uma passarela, quanto um showroom ou um set de fotografia.

O espaço fica no pólo têxtil do Bom Retiro, zona central de São Paulo, e se divide em dois prédios, sendo um dedicado apenas à camisaria. “O bairro é estratégico, fica perto de tudo, o que facilita o nosso trabalho”, conta Ricardo, que não revela o quanto desembolsou na empreitada. “Ainda não parei para calcular o quanto eu investi aqui, mas sei que eu devo muito no banco, porque também montei outras cinco lojas nos últimos dois anos”, despista.

O estilista ainda abriu suas intenções em transformar a área de lazer do empreendimento num espaço desportivo para as crianças da região, projeto que já está apadrinhado por personalidades como Guga e Tite. “Ainda estamos pensando em como isso será organizado, mas é importante tirar a meninada da rua, me preocupo com isso”, explica.

 

Atenção aos detalhes

IMG_9041

Etapas da confecção dos ternos são destaque na decoração

Tudo na casa nova, das roupas ao projeto arquitetônico e a mobília, leva a assinatura do estilista. “Eu gosto de criação, posso desenhar roupas, móveis, qualquer coisa. O projeto da fábrica é meu, por exemplo”, explica o estilista, que deseja equivaler a fatia do segmento feminino, correspondente hoje a 0,5% do seu faturamento, ao masculino.

Contudo, a presença do estilista vai além da esfera da criação. É notável sua atuação na linha de frente como mestre de cerimônia e até na coordenação do desfile, o qual só começou depois da chegada dos seus filhos, controlando o timing de cada modelo na passarela.

Fica fácil entender o porquê de seus funcionários o apelidarem de big boss, Ricardo se importa com todos os detalhes. “Estar próximo contribui para que o resultado seja bom, não acredito em passar recado”, afirma.

Até a trilha sonora do evento, que contou com hits da banda Depeche Mode, resgatou uma história sua. “Quando abri minha primeira loja, há 33 anos, no Shopping Morumbi, só tocava Depeche, nós tínhamos um clima muito gostoso de balada. Não poderia ser outra trilha”, diz.

No esquema See Now, Buy Now, a coleção apresentada aliou a tradicional alfaiataria slim da marca a peças mais casuais como jeans e tênis, além de uma releitura da gravata de crochê, clássico dos anos 1980, para um homem que, segundo a própria label, não é ávido por grandes rupturas.

Um dos destaques do novo espaço é justamente a possibilidade de visualizar o processo de construção das roupas, muito importante para quem obtém cerca de 30% do faturamento com ternos sob medida, cujo preço inicial é de R$4,5 mil, valor triplicado no caso de a encomenda ser executada pelo próprio Ricardo.

Comentários

Comentários