Evento de criatividade e inovação mistura aprendizado, diversão e rodadas de negócios em 300 horas de atividades. Tudo isso em um final de semana

 

Rafael Vettori

Rafael Vettori

A integração das diversas plataformas de inovação promovida no SXSW (South by Southwest), tradicional festival de economia criativa sediado em Austin, no Texas, não passou despercebida pelos olhos atentos dos empresários Rafael Vettori e Fábio Seixas, que em 2012, inspirados pelo evento norte-americano, lançaram no Brasil o Festival Path (caminho, em inglês), voltado à inovação e criatividade.

Este ano, a 4ª edição do festival ocorre no bairro de Pinheiros, zona sul de são Paulo, entre 14 e 15 de maio. Intenso, em apenas um final de semana, reúne mais de 300 horas de programação, divididas em 150 palestras, 26 shows, 25 documentários e uma exposição de arte interativa.

Os shows do festival se concentram em três locais: os gratuitos, na Praça dos Omaguás e na Praça Professor Resende Puech, e os pagos, no Estúdio. Apresentam‐se Karol Conka, As Bahias e a Cozinha Mineira, Siba, Rico Dalasam, entre outros artistas. Para acessar todas as atividades, é necessário desembolsar R$249 (1º lote), além de opções mais direcionadas (e baratas), para quem deseja conferir apenas as palestras ou os shows.

Contando com 10 patrocinadores, 21 empresas apoiadoras, dentre as quais 12 veículos de comunicação, e 16 parceiros de mídia, Rafael não revela o valor do investimento, mas afirma que foi possível planejar a nova edição, para qual há previsão de 8 mil participantes, no azul. “Houve um cuidado para manter a qualidade da grade e da experiência como um todo”, afirma o empresário, que explica que a curadoria da programação e das parcerias demanda um ano inteiro de trabalho.

 

Convergência/ conexão

Com a proposta de misturar rodadas de negócios com ambientes de aprendizado e diversão, os bate-papos, ponto forte do evento, contam com mais de 300 palestrantes especialistas em temas como empreendedorismo, tecnologia, moda, economia compartilhada, esporte, ocupações urbanas, gênero e educação informal. Outra novidade desta edição é a Feira de Startups, um ambiente para que empreendedores mostrem ao público seus produtos e serviços.

“Percebemos que os eventos no Brasil ainda pendiam muito para os ‘nichos’, faltava mistura, convergência e conexão entre os públicos. Nosso intuito é discutir o futuro sob várias óticas, trazendo palestras, shows, filmes e outras experiências”, afirma Rafael.

 

Deslocamento

Cartões-postais da cidade foram eleitos para o circuito de atividades, chamado de “Cidade Path”, como o Instituto Tomie Othake, o Museu A CASA, a Praça dos Omaguás e Praça Professor Resende Puech. “Optamos pela praticidade (ao pensar no roteiro), e também por usar de forma inteligente e inovadora os equipamentos urbanos da cidade”, afirma o empresário.

Fábio explica que a proposta da organização é dar aos participantes a oportunidade de criarem seu próprio roteiro. “Acontecem simultaneamente cerca de 15 atrações por hora, em mais de dez espaços. Isso é um elemento diferencial, porque serve para tirar as pessoas de suas zonas de conforto. A interação é fundamental e faz parte da nossa entrega, queremos quebrar as ‘panelinhas’, por isso o deslocamento é tão importante”, explica Rafael Vettori, organizador do evento.

 

Festival Path de Documentários

Neste ano, a mostra de filmes, presente até então, evolui para o Festival Path de Documentários, com premiação e jurados especializados. As inscrições estarão abertas para todo o Brasil e a curadoria buscará filmes que tenham uma lente inovadora. As categorias são Melhor Documentário Longa Metragem pelo júri (prêmio de R$10 mil), Melhor Documentário Longa Metragem pelo público (prêmio de R$10 mil) e Melhor Documentário Curta Metragem pelo júri (prêmio de R$5 mil).

 

Confira a programação completa do Festival Path em https://www.festivalpath.com.br/

Comentários

Comentários